17 de novembro de 2008

Aventura relativa

29-Outubro-2008

Mas porque é que as pessoas viajam para tão longe para virem conhecer culturas diferentes, se depois de milhares de km’s se enfiam em "ghettos" ocidentais?
Porque é que há sempre a necessidade de procurar algo confortável e familiar?
Já nem falo das pessoas que viajam em tours organizados. Falo dos independentes cujos objectivos passam também por ter um pouco de aventura.

Mas que aventura se tem num sítio feito à nossa imagem e semelhança e à medida das necessidades ocidentais? Que aventura se tem quando há um café que vende expressos ao virar da esquina, ou um restaurante com hambúrgueres e batatas fritas?

A verdade é que mesmo para os backpackers – como nós – que saem do seu país sem nada marcado, a aventura é algo relativo e no fundo é um conceito controlado pois encontramos sempre estes ghettos onde um ocidental se sente em casa.

Quando não encontramos... aí lembramos disso para sempre.

2 comentários:

ana disse...

Fascinante...
È bom teres alguém com kem partilhar essa viagem longínqua e exótica ao mesmo tempo.
Desconhecia a existência de ghettos ocidentais com fast-food e ke tais nessas paragens.
Mas é, a maior parte cai no mesmo erro de sempre e acaba por ir parar a um ghetto ocidentalizado e comercializado com as mesmas coisas que existem por aqui.
Mas,há sempre uma forma de contornar essa situação. E viajantes como tu sabem aquilo que procuram ;)

FM disse...

se tivesses lá, não 15 dias mas sim uns largos meses não cairias nos sitios de turismo organizado, certamente descobririas a verdadeira essencia do local, para além das maravilhas obvias k toda a gente conhece e k obrigatoriamente têm que ser visitadas....mas certamente é um bom compromisso um pouco de ocidentalidade é sempre bom, que seria de nós sem um café expresso...