5 de julho de 2006

Azul de CHEFCHAOEN

Xaoen não nos comoveu à chegada... cá de fora a cidadezinha aninhada na montanha parecia uma cidade igual às outras... e a verdade é que nós, depois de tudo o que tínhamos andado para chegar até ali, exigíamos algo não menos que “bombástico”.
Os mais cépticos sugeriram então que não perdêssemos tempo e seguíssemos caminho, mas o cansaço já era algum e por isso ficámos.
AINDA BEM!

Pois em Chefchaoen encontrou-se a tal bomba... uma explosão de bem estar.
Assim que se começa a percorrer a medina, surgem étereas visões azuis glacé que nos refrescam por dentro. É algo que não consigo descrever. Sei de uma moura que ia delirar aqui...


Toda a gente nos pergunta se queremos ajuda e oferecem os seus serviços sem serem requisitados. Somos convidados para o típico chá de hortelã açucarado, falam-nos em todas as línguas e tentam vender-nos de tudo... tapetes, roupas, especiarias, hash...
... porque Xaoen e as montanhas do Rif são conhecidas pelas suas plantações de marijuana... assim que entramos numa loja para ver um artesanato qualquer, enquanto o diabo esfrega um olho e sem dizermos nada, aparecem cachimbos compridos de madeira com Kif para se experimentar e os derivados de marijuana saem de dentro das tajines em exposição e voam para as nossas mãos.



Mas a mim impressionou-me o azul... azul de Chefchaoen... um azul que pinta paredes, portas, chão e céu. Um azul mágico e fresco. Impressionaram-me os recantos deliciosos aqui e ali e as flores cor de rosa nas árvores.


Ao jantar, dá-se a iniciação à gastronomia marroquina: tajine de borrego, couzcouz de legumes, kefta (almôndegas), cenoura com canela... doce com salgado. A sobremesa é simples, laranja.

1 comentário:

Filipa disse...

Oi garota!

Como já te tinha dito, algures no Flickr, estas fotos azuis são lindas de morrer! De tirar a respiração!

Amei!!!

Parabéns pela página no Olhares! Sempre à frente de tudo! Como sempre!

Temos de combinar alguma coisa, n achas? Uma jantarada, quem sabe?

Beijocas da *moura*