23 de julho de 2007

Intercâmbios

« o senhor Aliou convida-me para irmos tomar uma bebida. Está radiante. "Um português. Nem acredito", exclama. "Sabe que o meu filho ganhou o concurso nacional de língua portuguesa?" Não sei; nem sei do que está a falar. Ele explica: "A vossa embaixada organiza todos os anos uma competição entre os onze mil alunos de português dos liceus do Senegal. Este ano, o meu filho ganhou." E conclui: "Se tudo correr bem, para o ano poderá concorrer a uma bolsa e ir estudar português para a universidade."

Fico a pensar no interesse destes senegaleses por uma língua que nem é sua; é minha. Imagino o nível de entusiasmo, o estímulo para prosseguir estudos destes onze mil miúdos, o orgulho de vinte e dois mil pais. E penso: mais do que oferecer uma bolsa, o meu país devia era promover intercâmbios estudantis: mandem-nos esses onze mil entusiastas interessados na nossa língua, que nós mandamo-vos umas centenas de milhares de apáticos desinteressados de tudo. Mandamo-vos uma geração de privilegiados do destino, para que eles compreendam a sorte que tiveram em nascer portugueses. Intercambiemos: nós ensinamos os nossos miúdos a falar a língua, vocês ensinem os nossos a viver a vida. »





Gonçalo Cadilhe in "África Acima"

2 comentários:

CAP CRÉUS disse...

Lembro-me de ler esta passagem e realmente dá que pensar!
Aqui, os meninos, têm tudo!
E não sabem nem querem aprender a falar e escrever Português...
Os outros...

o tal disse...

pois é, nós não damos importância ao que temos.deviamos olhar para as coisas com o olhar de crianças...
seriamos felizes
boa escolha filha do vento