20 de novembro de 2008

Mud

30-Outubro-2008

Tratadas as formalidades de fronteira, entramos finalmente no reino do Cambodja. Está Sol e o suor escorrega corpo abaixo. A dor de cabeça continua.
Nota-se logo uma diferença em relação à Tailândia. O chão não é pavimentado e como ainda estamos na wet season, tudo o que pisamos tem uma camada maior ou menor de lama.
Lama castanha seca com os sulcos das rodas e molhada que os carros atravessam sem contemplações em relação ao *splash* para as outras pessoas. Lama que se cola aos chinelos.

Existem veículos puxados por animais e pessoas. Veículos com pedais adaptados para serem “pedalados” com as mãos e não com os pés...
Acabámos de entrar num dos países mais pobres do mundo, no país com maior percentagem de população deficiente devido a minas anti-pessoais.



A viagem de carro para Siem Reap dura 3h apesar de ser algo como 100km. A estrada é esburacada, cheia de desvios, sobre e desce os rios... ou melhor o pântano, pois é isso que o Cambodja é na wet season: um enorme pântano a perder de vista.
Tivemos sorte porque não choveu e foi possível cumprir o mínimo de 3h num carro normal... Quando chove esta que é uma das estradas mais transitadas do Cambodja por dar acesso ao Angkor Wat desde a Tailândia, torna-se exclusiva de quem conduz pick-ups e 4WD e praticamente intransitável para os demais!

2 comentários:

FM disse...

devem ter sido umas três horas deliciosas, não é disso que se vai à procura?

Anónimo disse...

E qual é a formula usada para se abstrairem da miséria das populações e poder então gozar da paisagem, apreciar os monumentos, palácios, etc???