19 de novembro de 2008

Travessia para o Cambodja

30-Outubro-2008

Em Aranyaprathet, os motoristas de tuk-tuk’s sabem exactamente o que estamos ali a fazer por isso vêm assediar-nos dentro do comboio.
É que a fronteira é ainda a 6km da estação.
Mas são uns km’s difíceis de percorrer devido à quantidade de esquemas para apanhar turistas e fazer com que se desviem da sua rota inicial.



Para um europeu, a fronteira Tailândia/Cambodja neste ponto não é uma fronteira difícil de passar, mas é natural que esse mesmo europeu sinta que aqui chegou ao fim do mundo e isso o faça aceitar “ajudas” falsas. Não é que possa acontecer alguma fatalidade caso se aceitem essas ajudas... O máximo que pode acontecer é gastarmos o dobro do dinheiro na emissão do visto.

O nosso motorista de tuk tuk antes de se resignar com a perda de comissão e de nos levar finalmente para a fronteira, passeia ainda connosco por pseudo agências que tratam das formalidades do visto aos turistas. Inventam que o visto à chegada já não se faz e que agora demora 3 dias, inventam que o preço mudou pelas mais variadíssimas razões e que agora é 30USD, 40USD...etc
Já sabíamos que isto ia acontecer. Mas também sabíamos que o visto custa exactamente 20USD -quantia que levavamos contadinha- e que é feito imediatamente após a chegada ao país.

Não conseguimos deixar de nos sentir agredidos com estes malabarismos mas a verdade é que não temos a mínima noção de como vivem e de como lhes pode dar jeito um dinheirinho extra.

1 comentário:

FM disse...

fazer o trabalho de casa traz sempre vantagens...e da para poupar uns trocos